Pular para o conteúdo principal

365 novas oportunidades!

            
Fim e começo de mais um ciclo anual. No ano anterior fizemos muitas promessas e planos, tínhamos muitos sonhos para realizar. Talvez, conseguimos realizar muitos sonhos e alcançar muitas metas. No entanto, agora o que nos consome são as ansiedades e medos provenientes das incertezas que nos aguardam neste ano que se inicia. Novas promessas, novos sonhos, novas metas e muitos planos para este ano. Todavia, o que faremos neste para que ele seja diferente? Se queremos tudo novo, precisamos ter novas posturas e atitudes, a fim de obtermos novos resultados.
Assim como foi em 2014, em 2015 não faltarão oportunidades de superarmos dificuldades e de vencermos desafios. Também não nos faltarão oportunidades de sermos melhores humanos em tudo que fizermos. Se queremos que os outros sejam diferentes, sejamos diferentes! Queremos mais amor? Doemos mais amor, sem reservas, sem limites, sem esperar nada em troca. Queremos ser perdoados? Sejamos perdoadores, reconhecendo que também somos falhos, imperfeitos e limitados. Implantemos o reino do bem por onde passarmos, sendo gente do bem, gente que cria um ambiente harmonioso e acolhedor. Se queremos paz, do mesmo modo, sejamos gente que promove a paz, gente que reconcilia.
Acho interessante os muitos ritos religiosos para abençoar o ano que se inicia, tem muitos que até rotulam o ano com o que desejam: ano da vitória, ano de muitas conquistas, etc. Entretanto, se queremos um ano novo abençoado, precisamos ser bênção para o nosso semelhante e viver com mais leveza, com menos pressão e consequentemente menos cobrança.
Hoje, compartilhei o seguinte versículo: “Não fiquem lembrando o que aconteceu no passado; não continuem pensando nas coisas que fiz há muito tempo. Vejam, estou fazendo uma coisa completamente nova, algo que já comecei a realizar; será que vocês ainda não perceberam? Vou abrir uma grande estrada no deserto, e no meio da terra seca farei correr riachos!” (Is 43:18,19 – Bíblia Viva). Diante deste texto, podemos fazer muitas perguntas, mas quero fazer apenas duas. A primeira pode ser: o que é o deserto? É um lugar onde conhecemos o Senhor não só de ouvir falar, mas de modo experiencial, também é um lugar de silêncio, reflexão, contemplação da vida, lugar de vencer as tentações, de transformações e de conhecer os nossos limites. A partir daqui, podemos fazer a segunda pergunta: e depois do deserto, o que vem? Não saímos do deserto como entramos! Depois do deserto vem amadurecimento, passamos a desenvolver o caráter de Cristo, nos tornamos mais compreensíveis com sentimentos mais nobres, somos gratos pela vida e temos conhecimento da fidelidade e amor divino.
Desfrutar de um novo ano de fato, é esquecer do que passou no sentido de não ficar se culpando pelo que passou. Devemos sim, olhar para trás e ver onde caímos, para não cairmos no mesmo lugar. Também não é saudável ficar com um pensamento saudoso pelo que o Pai já fez, pois o que Ele fez não se compara ao que ainda fará, não somos obras completas, Ele ainda está trabalhando em nós, Ele está formando em nós o caráter de Seu Filho. O que o Senhor fará em nós e através de nós é algo novo, por isto, precisamos confiar que Ele já começou. Busquemos a sensibilidade para perceber o Seu terno e singelo agir. O deserto não nos matará, Jesus é o nosso alimento! Firmados nEle, que é o Caminho, prossigamos aprendendo com Ele que não nos abandona nunca e faz brotar rios mesmo em meio a sequidão existencial, porém esses rios fluem do nosso interior, ou seja, tudo está na essência que temos, que está em nós, o que somos.
Portanto, que este seja um ano que nos esforcemos ainda mais, enquanto discípulos de Cristo, a fim de que nEle sejamos aperfeiçoados. O ano será novo se formos novos, um novo olhar, um novo agir, um novo sentir. Tenhamos nova postura, sejamos quem realmente somos nEle e não o que mostramos ser. Afinal, o que importa não é o que temos e sim o que somos. Não serão poucas as oportunidades, aproveitemos uma a uma fazendo do cotidiano um laboratório de aprimoramentos, onde o principal elemento da alquimia é o Amor.

NEle, que sempre nos proporciona a graça de viver!

Daniel Lima – Um discípulo no Caminho

Brasília-DF

Comentários

  1. Se queremos tudo novo, precisamos ter novas posturas e atitudes, a fim de obtermos novos resultados.
    Fantástico isso.
    Parafraseando: é um tipo de loucura, achar que teremos resultados diferentes, fazendo a mesma coisa.
    Parabéns pelo texto.


    Douglas Elle

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Novo a Gente Faz!

Um ano novo e feliz nós que fazemos (construímos). Não teremos um ano novo se continuarmos com velhos hábitos. Se queremos diferentes resultados precisamos ter diferentes atitudes! Feliz seremos quando a felicidade deixar de ser produto consumido, obtido, desejado... E passar a ser algo real em nós, vivido e desfrutado independente das circunstâncias. Ser feliz deve ser uma escolha! O surpreendente é que ela está nas coisas singelas e sutis da vida, em simplesmomentos vividos intensa e responsavelmente. Queremos realmente um ano novo? Sejamos novos, nos reinventemos, ou que tal descobrir-nos e permitir-nos ser nós mesmos sem máscaras. Vivendo, sendo, desfrutando e amando a vida.
Sendo assim, valorizemos cada instante e as coisas simples do dia a dia, pois assim nos perceberemos na vida, atentando para tudo que existe ao nosso redor: pássaros cantam, vento nos acariciam, crianças sorriem, pessoas carentes, idosos maltratados, etc. Diante desta constatação o que faremos? Lamentar, chorar, …

Insight: Tempo.

O que é o tempo? Lembro do meu professor de filosofia fazendo esta pergunta, provocando a reflexão em cada um de nós (os alunos). O tempo é um conjunto de momentos vividos no agora, aparenta ser relativo em muitas situações, pois se sofremos, o tempo parece não passar, para as crianças o tempo parece demorar, para adultos o tempo "voa", em momentos de alegria, o tempo parece ser tão curto. Se entender o nosso tempo é tão complexo, como queremos entender o tempo do Eterno? Não conseguimos entender o tempo de dEle, de suas ações ou mesmo seu tempo de silêncio. Parece que ficamos o tempo todo querendo entender e teorizar o tempo que nem se quer vivemos os momentos. Ainda não aprendemos que cada coisa tem seu tempo, principalmente nós, seres humanos. Vamos viver cada momento sabendo que são únicos, por isto, vamos viver de modo responsável. Tudo acontecerá naturalmente sem neuroses, sem loucuras, exercitemos a paciência, tranquilizemos a alma, pois tudo tem seu tempo, hora e mom…